Tangará da Serra/MT, 16 de Fevereiro de 2019

Facebook

NOTÍCIAS terça-feira, 12 de Fevereiro de 2019, 13h:53 | - A | + A

REDE ESTADUAL

Profissionais da educação paralisaram atividades; chance de greve existe

Por: Paulo César Desidério - Gazeta FM

Paulo Desidério/Gazeta FM

Profissionais da educação de todo o país paralisaram as atividades nesta terça-feira (12). Contra pautas nacionais como a Reforma da Previdência, atos foram realizados pelo Brasil. Em Tangará da Serra, não foi diferente. A paralisação se deu por meio de concentração entre os servidores, realizada na praça da antiga prefeitura municipal.
De acordo com o professor José Rosa, diretor de formação sindical do Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Público do Mato Grosso (Sintep-MT), os objetivos vão desde um protesto contra a reforma da previdência aos projetos enviados pelo governador do estado de Mato Grosso, Mauro Mendes (DEM) à Assembleia Legislativa, que impactam diretamente nos servidores públicos.


“A reforma da previdência, que é um projeto nacional, nós estamos mobilizados contra da forma que ela está colocada e também contra os projetos da maldade de Mauro Mendes. Nem começou o ano, nem começou sua gestão e ele já iniciou com um pacote de retirada de direitos. Nós somos conscientes que há necessidade dos equilíbrios que tanto é falado. Porém, não é retirando direitos da grande maioria que ganha salários abaixo de R$ 2 mil, R$ 3 mil, não é acabando com a carreira desses trabalhadores, congelando salários, que vai fazer ajuste. Muito pelo contrário, vai criar muitos problemas, vai ajustar o caixa dele e desajustar a vida de milhares famílias no estado de Mato Grosso”, afirmou, ao reforçar que a classe discorda da forma como os projetos a nível de estados estão sendo postos para votação.

Paulo Desidério/Gazeta FM

Paralisação

Servidores se concentraram na manhã desta terça-feira (12), na Praça da Antiga Prefeitura Municipal


“Nós não concordamos com essa situação que está sendo colocada de goela abaixo, projetos colocados na surdina, no calar da noite, com deputados que nem reeleitos foram. Isso é contra todos os nossos princípios de democracia. Então, o governador Mauro Mendes não está tendo competência de dialogar com as categorias de servidores do estado de Mato Grosso”, acrescentou.

"Essa paralisação de hoje já é um aviso para o governador de que se ele não retirar esses projetos que estão na AL, não buscar um diálogo com a categoria, a greve será instalada"


Questionado sobre a possibilidade de greve na educação, José destacou que o risco existe, inclusive em outros setores do funcionalismo público que também já manifestaram descontentamento com relação às medidas de Mendes.


“Em específico, nós, profissionais da educação do estado de Mato Grosso já retiramos o estado de greve. Então, essa paralisação de hoje já é um aviso para o govenador de que se ele não retirar esses projetos que estão na Assembleia Legislativa, não buscar um diálogo com a categoria, a greve em breve será instalada no estado de Mato Grosso por nós. Outras categorias também têm tirado esse encaminhamento. Então, a paralisação de hoje é para sinalizar para o governo que nós não estamos contentes e que se ele persistir nessa teimosia, nós vamos paralisar mesmo”, concluiu.

 

IMPRIMIR

COMENTÁRIOS